Forro de teto desaba em área que sofre com problemas de estrutura e já foi interditada no Hospital Getúlio Vargas

Não havia ninguém na sala no momento em que ocorreu o incidente. Placa de gesso se desprendeu, nesta sexta (30). Bloco G do hospital acumula problemas de estrutura há mais de uma década.

Parte do teto do Hospital Getúlio Vargas desaba, no Recife

Parte do forro do teto de uma área próxima a uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no Hospital Getúlio Vargas, na Zona Oeste do Recife, desabou nesta sexta-feira (30). Funcionários do local, que não quiseram se identificar, relataram problemas de estrutura e denunciaram o medo de trabalhar no Bloco G da unidade, que já foi interditado devido a estalos e rachaduras, em 2019 (veja vídeo acima).

Imagens enviadas ao WhatsApp da TV Globo mostram a sala em que ocorreu o acidente. Há pedaços de blocos de gesso pelo chão, em meio a equipamentos e mesas. De acordo com os funcionários do hospital, o local é uma sala em que ficam aparelhos utilizados na UTI 1 do Bloco G.

Os trabalhadores afirmam que problemas como esse são comuns no local e que, no Bloco G, os incidentes são mais comuns. O Bloco G foi inaugurado em 1993 e, desde 2004, apresenta uma lista de problemas estruturais.

“Esse bloco está ‘escorado’ há quatro anos. Já tivemos que tirar pacientes do bloco cirúrgico depois de ouvir estalos. São muitas janelas quebradas, muitos furos. As janelas ficam tortas por causa da movimentação do prédio. Tem rachaduras [em] que cabem uma mão. Eles passam massa corrida nos buracos e fica por isso mesmo”, disse uma pessoa que trabalha no local e não quis se identificar.

Em 2019, o Bloco G foi isolado depois que estalos na estrutura do prédio foram ouvidos. O HGV é referência no estado na área de ortopedia e realiza, mensalmente, mais de 2.700 atendimentos na emergência e outros 20 mil no ambulatório.

Na época, depois de um mês, o prédio foi parcialmente liberado após vistorias que apontaram estabilidade do edifício. Outra área, interditada desde 2017, seguiu sem receber pacientes.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirmou que não havia nenhuma pessoa no local, no momento em que o acidente ocorreu, e que “a equipe de engenharia e manutenção já está atuando para sanar a situação”. O atendimento não foi interrompido.

“Em relação a um dos blocos do HGV, a Secretaria Estadual de Saúde informa que foi concluído o projeto de engenharia para recuperação estrutural do prédio, contudo, devido à pandemia, o foco foi priorizar as ações assistenciais e investimentos voltados para os pacientes acometidos pela Covid-19. Atualmente, está sendo feita a revisão do orçamento para que ocorra a licitação para escolha da empresa que executará a obra”, disse a SES.

Fonte: G1

Este informação foi útil para você?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest