As maiores construções do mundo: você conhece as 7 maiores?

As 7 maiores construções do mundo, que você vai ver, são uma das maiores provas da capacidade humana de enfrentar e vencer desafios aparentemente intransponíveis. São obras que causam espanto pela sua inventividade e enorme mobilização de recursos.

Cada uma dessas grandes construções traz um valor em si, pelos objetivos que alcançaram. Mas também criam novas técnicas que servem de inspiração para muitos outros empreendimentos ao redor do mundo.

São  projetos que produzem conhecimentos inestimáveis para a engenharia, a construção civil e várias outras áreas importantes para o desenvolvimento econômico e social.

É até difícil determinar quais as mais relevantes entre tantas obras de cair o queixo que existem. Veja algumas das mais representativas.

1- Hidrelétrica das Três Gargantas (China)

Imagem: Wikpedia

A Hidrelétrica das Três Gargantas é uma obra tão impactante que já foi chamada de Nova Muralha da China, numa comparação com a milenar construção chinesa que é declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Não é para menos, pois Três Gargantas é simplesmente o maior projeto hidrelétrico do mundo em capacidade instalada (22,5 GW), no maior rio da Ásia, o Yangtzé. E está localizada na província de Hubei, entre Wuhan e Chunking, onde se concentra o principal parque industrial do País.

Ela consiste em uma barragem de 2.309 metros de comprimento e 185 metros de altura, que equivale a um edifício de 60 andares, tendo entrado em  operação em 2003. Gerou 111,8 bilhões de quilowatts-hora em 2020, um novo recorde mundial, segundo a agência Xinhua. Sua estrutura apresenta eclusas de navios de cinco níveis nos lados norte e sul.

A barragem, segundo os responsáveis pela obra, é capaz de suportar ataques terroristas e um terremoto de até sete graus na escala Richter.

Além da produção de energia, ela foi planejada para conter grandes inundações, facilitar a navegação e o transporte de cargas pelo rio.

Sua construção começou em 1992, envolta em muita polêmica, pois teve um grande impacto ambiental, inundou sítios arqueológicos e culturais e deslocou cerca de 1,3 milhão de pessoas.

Diminuir a dependência do carvão e do petróleo

O governo justificou a obra com o argumento de que as enchentes mataram mais de um milhão de pessoas em cem anos e que era preciso diminuir a dependência do País do carvão e petróleo na produção de energia.

Várias empresas brasileiras participaram das obras, tendo em vista a experiência com empreendimentos de grandes hidrelétricas, como Itaipu e Tucuruí.

Em 2006 a hidrelétrica foi inaugurada, mas só veio a ser totalmente concluída em 2012, quando a última das principais turbinas, num total de 32, começou a produzir, cada uma com capacidade de 700 MW. A construção das eclusas terminou depois, em 2015.

No primeiro semestre de 2021, 19.706 navios passaram pela eclusa da represa das Três Gargantas, com a movimentação de carga ultrapassando 75,54 milhões de toneladas.

2- Ponte Danyang-Kunshan (China)

Imagem: Wikipedia

Também no leste da China está a ponte mais longa do mundo, a Ponte de Danyang-Kunshan, com incríveis 164,8 km de extensão. Ela integra a linha ferroviária de alta velocidade que liga Xangai e Nanjing, na província de Jiangsu.

Seu percurso passa por muitos rios, canais e áreas alagadiças, por isso precisou desse viaduto, quase paralelo ao rio Yangtzé.

A um custo de 8,5 bilhões de dólares, a ponte começou a ser construída em 2006, empregando 10 mil pessoas. Tem um vão máximo de 260 metros e foi concluída em apenas quatro anos, sendo inaugurada em 2011.

3- Ponte de Oresund – A ponte impossível (Dinamarca e Suécia)

Imagem: Wikipedia

Outra travessia impressionante é a ponte de Oresund, que liga a Dinamarca à Suécia e que foi chamada “a ponte impossível”, tal a complexidade da obra. Mais exatamente, liga a capital do primeiro país, Copenhague, a Malmö, do outro lado do estreito de Öresund.

Ela tem 7.845 metros de comprimento e é a maior ponte rodoferroviária da Europa, em relação à altura do vão acima do nível da água. O complexo rodoferroviário que ela integra  tem 16 km e é composto por três partes: a ponte (7.845 m), um túnel submarino (3.510 m) e a ilha artificial de Pepparholm (4.055 m).

Sua construção começou em 1995 e terminou em 1999, a um custo total de 5,7 bilhões de dólares, pagos 50% por cada um dos dois países.

Ela apresenta ainda um dos mais longos vãos do mundo, com 490 metros, e altura do pilar de 204 metros. Seus dois traçados ferroviários estão abaixo do tabuleiro, com quatro faixas de rodagem rodoviária.

Na construção do túnel, o leito do mar foi escavado por cerca de quatro quilômetros, enfrentando dificuldades em trechos com rochas de alta dureza. A ilha artificial, por sua vez, foi produzida a partir de rochas, areia dragada do fundo do mar e entulhos produzidos pela construção da ponte.

4- Burj Khalifa – Dubai (Emirados Árabes Unidos)

Imagem: Wikipedia

O mega-arranha-céu Burj Khalifa, em Dubai, é hors concour em qualquer lista das principais obras de engenharia do planeta, pois é simplesmente o maior prédio do mundo. É tão alto que pode ser visto a 95 quilômetros de distância.

A “Torre do Kalifa”, na tradução do árabe, tem nada menos que 828 metros de altura e 160 andares. Começou a ser construído em 21 de setembro de 2004 e foi inaugurado no dia 4 de janeiro de 2010, a um custo estimado de 1,5 bilhão de dólares.

Quem realizou a obra foi a Samsung Engineering & Construction, da Coreia do Sul, que também participou dos projetos das torres-gêmeas das Petronas Towers, na Malásia, e do Taipei 101, em Taiwan.

Mais de 12 mil pessoas, de 30 países, trabalharam na sua  construção.

Como curiosidade, veja alguns detalhes técnicos:

  • Mais de 45 mil metros cúbicos de concreto, pesando mais de 110 mil toneladas, foram utilizados na fundação de concreto e aço, que possui 192 estacas;
  • A construção usou 330 mil metros cúbicos de concreto e 55 mil toneladas de vergalhões de aço.
  • Um concreto armado de alta densidade e baixa permeabilidade foi utilizado nas suas fundações.
  • Em maio de 2008, a Putzmeister bombeou concreto até o 156º andar, um recorde no mundo.
  • Três guindastes de torre foram utilizados durante a construção dos níveis superiores, cada um capaz de levantar uma carga de 25 toneladas.
  • A estrutura dos andares mais altos é feita a partir de um aço mais leve.
  • O interior do Burj Khalifa é altamente compartimentado, com andares de manutenção pressurizados com ar-condicionado a cada 35 andares, onde as pessoas podem se abrigar com segurança em caso de emergência ou incêndio.
  • Misturas especiais de concreto foram feitas para suportar as pressões extremas do peso do edifício e as temperaturas do Golfo Pérsico, que podem chegar a 50 °C.
  • Para combater este problema, o cimento não foi derramado durante o dia e, nos meses de verão, gelo foi adicionado à mistura, que era vertida durante a noite.
  • A quantidade de energia elétrica usada no Burj Khalifa é equivalente ao gasto de 500 mil lâmpadas de 100 watts ao mesmo tempo.
  • O arranha-céu consome um milhão de litros de água por dia.

5- Palm Islands –  Dubai (Emirados Árabes Unidos)

Imagem: Wikpedia

Ainda em Dubai está outra das maiores construções do mundo, a Palma Islands, um arquipélago de três ilhas, totalmente artificiais, em forma de palmeiras.

Foram investidos cerca de 13 bilhões de dólares na Palm Jumeirah, na foto, Palm Jebel Ali e Palm Deira, com o objetivo de impulsionar o turismo na capital dos Emirados Árabes Unidos.

O país é muito dependente do petróleo, uma fonte de recursos que pode secar um dia, e seus governantes querem criar alternativas econômicas. Assim, surgiu o projeto de Palm Islands, visando triplicar a visitação de turistas na região.

As ilhas foram construídas pela Nakheel Properties, uma incorporadora de imóveis que contratou o empreiteiro holandês Van Oord para a dragagem marinha, na costa de Dubai, no Golfo Pérsico.

O plano inicial era de uma única ilha, a Palm Jumeirah, sobre a qual seria construída toda a infraestrutura de uma cidade de altíssimo padrão, com quatro mil residências de luxo. E também centros comerciais, muitos hotéis, parques de diversões e toda sorte de atrações turísticas.

A obra começou em 2001, mas o sucesso comercial foi tão grande que logo decidiram construir outras duas ilhas. Em 2006 já havia moradores na primeira e em 2009 ela já estava com ocupação total.

Embora Dubai seja cercada de areia, este foi um problema, porque a areia do deserto é muito fina, não era adequada para obra. Por isso foi preciso dragar e utilizar uma enorme quantidade de areia do mar (mais grossa) e rochas para assentar as ilhas.

Uma providência igualmente importante foi a construção dos crescentes que se vê nas imagens e que são quebra-mares em torno das ilhas, para evitar o impacto das ondas, capazes de comprometer a estrutura das ilhas.

6- Aeroporto Internacional de Kansai – Japão

Imagem: Wikpedia

Outra famosa ilha artificial foi construída no Japão para abrigar o Aeroporto Internacional de Kansai, no meio da baía de Osaka, próximo a três importantes cidades: Osaka, Kyoto e Kobe.

Ele foi projetado para aliviar a superlotação do aeroporto original de Osaka, que passou a operar apenas voos domésticos. Conta com dois terminais, sendo o Terminal 1 o terminal de aeroporto mais longo do mundo, com 1,7 quilômetro de comprimento.

Anos antes, quando foi construído o aeroporto de Tóquio, aconteceram muitos protestos por causa da expropriação de terras.

Esta foi uma das razões da opção pela obra do Kansai acima do mar, além da vantagem de poder operar 24 horas por dia,  pois ali não  há restrições ao barulho das aeronaves.

A ilha começou a ser construída em 1987 e foi concluída em 1990, com uma ponte de três quilômetros ligando-a ao continente. Um ano depois começou a obra do terminal e em 1994 o aeroporto foi inaugurado.

Kansai chegou a apresentar sérios problemas de afundamento, mas isso foi controlado e quando houve um grande terremoto em Kobe, em 1995, o aeroporto não sofreu danos, devido à sua avançada tecnologia antissísmica.

7. Canal do Panamá – Uma das sete maravilhas do mundo moderno

Imagem: Wikipedia

Nem tão moderno, pois já tem mais de 100 anos, o Canal do Panamá não pode deixar de ser citado como uma das mais extraordinárias obras da engenharia de todos os tempos.

Ligando o Oceano Atlântico ao Pacífico, ele é fundamental para a navegação e o comércio internacional, tendo reduzido enormemente o tempo das viagens de um lado a outro.

A França começou a construção em 1880, mas parou quando enfrentou dificuldades técnicas e também devido à grande mortalidade de trabalhadores por doenças tropicais. Foi então que os Estados Unidos tomaram conta da obra, em 1904, e dez anos depois ela foi concluída, em 1914.

O canal tem 82 quilômetros e atravessa de lado a lado o istmo do Panamá, com bloqueios e eclusas que permitem levantar os navios até o Lago Gatún. Este é um lago artificial, 26 metros acima do nível do  mar, que foi construído para reduzir a necessidade de escavação do canal.

Todas as suas eclusas são duplas, para que os navios possam passar nas duas direções. E para tornar o canal mais largo e com mais capacidade de tráfego, entre 2007 e 2016 uma terceira faixa de eclusas foi construída.

O canal responde hoje por cerca de 4% do comércio mundial, passando por ele cerca de 15 mil navios por ano. As principais trajetórias saem do litoral leste norte-americano com destino, principalmente, à costa oeste da América do Sul.

Mas há também grande fluxo da Europa para a costa oeste dos EUA e do Canadá.

Os Estados Unidos controlaram a passagem até 1977, quando tratados dos dois países passaram o seu controle ao Panamá, definitivamente. A Sociedade Americana de Engenheiros Civis classificou o canal do Panamá como uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Uma outra lista das maiores construções

Há muitas outras construções grandiosas no mundo que poderiam compor uma outra lista, como a nossa Usina de Itaipu, sem contar as obras da antiguidade, como a Muralha da China e as Pirâmides do Egito, entre tantas outras.

Desde os tempos remotos, as grandes construções são uma marca registrada das sociedades mais desenvolvidas. E cada uma delas, nos seus detalhes técnicos, têm muito a ensinar para quem faz da construção civil sua principal atividade profissional.

Você recebeu algumas sugestões bem significativas, que podem ser estudadas ou até mesmo visitadas para seu melhor conhecimento. Nada mais parece impossível quando se vê as maiores construções do mundo.

Espero que você tenha gostado do nosso conteúdo, obrigado pela leitura e até o próximo artigo.

Este informação foi útil para você?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest